Fórum 1 _ Texto Marcuschi

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Fórum 1 _ Texto Marcuschi

Mensagem  Admin em Ter Jun 10, 2008 10:53 am

Admin escreveu:Quais as contribuições de Marcuschi para sua prática docente?

Admin
Admin

Mensagens : 12
Data de inscrição : 06/06/2008

Ver perfil do usuário http://saberes.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

A CONTRIBUIÇÃO DE MARCUSCHI

Mensagem  ieda karla em Qui Jun 12, 2008 3:38 pm

A contribuição que o texto de Marcuschi trouxe para o meu trabalho docente na parte de interpretação, produção e leitura de texto é que eu descobri que o gênero textual esta ligado a fenômenos históricos e principalmente ligado à vida cultural e social de quem esta escrevendo. Com isso não se pode querer que um aluno produza um texto sobre atividades que não façam parte do seu dia-a-dia.
Também ao ler o texto percebi que os gêneros textuais estão ligados também à tecnologia em que vivemos, como por exemplo o e-mail que substitui em muitos casos a carta.
Ao trabalhar os gêneros textuais consigo levar para a sala de aula as diferentes linguagens usadas pelas pessoas. Ao ler um jornal os alunos terão uma lingusgem jornalística, que é totalmente diferente das que eles usam nos e-mails.

ieda karla

Mensagens : 3
Data de inscrição : 12/06/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Comentário sobre o texto de Marcuschi

Mensagem  Rita Moraes em Sab Jun 14, 2008 11:39 am

O texto Gêneros textuais: definição e funcionalidade, de Luiz Antônio Marcuschi, apresenta vários conceitos. O primeiro deles é o de que “os gêneros textuais são fenômenos históricos, profundamente vinculados à vida cultural e social”. Percebe-se a relação deles com a história quando se compara a quantidade de gêneros textuais que existem hoje em relação a sociedades anteriores à comunicação escrita.

Recentemente, por exemplo, surgiram de novos gêneros e novas formas de comunicação, na fase denominada cultura eletrônica, que, segundo Marcuschi, revela que eles se caracterizam “muito mais por suas funções comunicativas, cognitivas e institucionais do que por suas peculiaridades lingüísticas e estruturais”, lembrando que gêneros textuais devem ser “contemplados em seus usos e condicionamentos sócio-pragmáticos caracterizados como práticas sócio-discursivas”.

Algumas formas inovadoras não são, todavia, absolutamente novas. O e-mail, por exemplo, que gera mensagens eletrônicas tem como antecessores as cartas e os bilhetes, mas é um novo gênero com identidade própria. Um aspecto interessante dessas novas formas é a nova relação que instauram com os usos da linguagem como a relação entre oralidade e escrita.

Outro lado interessante trazido pelo texto é que os gêneros textuais caracterizam-se por aspectos sócio-comunicativos e funcionais e, em muitos casos, são as formas que determinam o gênero e, em outros tantos, serão as funções.

Segundo Bakhtim (1997) e Bronckart (1999), “a comunicação verbal só é possível por algum gênero textual”, visão que segue uma noção de língua como atividade social, histórica e cognitiva, além de privilegiar a natureza funcional e interativa e não o aspecto formal e estrutural da língua.

Para Marcuschi, a distinção entre gênero e tipo textual é fundamental em todo o trabalho com produção e compreensão textual. Por isso, ele diz que “usamos a expressão tipo textual para designar uma espécie de construção teórica definida pela natureza lingüística de sua composição (aspectos lexicais, sintáticos, tempos verbais, relações lógicas)”. Em geral, os tipos textuais abrangem categorias conhecidas como: narração, argumentação, exposição, descrição, injunção. Os tipos textuais são, portanto, definidos “por seus traços lingüísticos predominantes”. “Um tipo textual é dado por um conjunto de traços que formam uma seqüência e não um texto” e “quando se nomeia um certo texto como “narrativo”, “descritivo” ou “argumentativo”, não se está nomeando o gênero e sim o predomínio de um tipo de seqüência de base.”

Já a expressão gênero textual é usada “como uma noção propositalmente vaga para referir os textos materializados que encontramos em nossa vida diária e que apresentam características sócio-comunicativas definidas por conteúdos propriedades funcionais, estilo e composição característica”. Alguns exemplos de gêneros textuais seriam: telefonema, sermão, carta, romance, reportagem jornalística, aula expositiva, bate-papo por computador, entre outros.

Outra noção que, segundo Marcuschi, vem sendo usada de maneira vaga é a da expressão domínio discursivo. Ele diz “usamos a expressão domínio discursivo para designar uma esfera ou instância de produção discursiva ou de atividade humana. Esses domínios não são textos nem discursos, mas propiciam o surgimento de discursos bastantes específicos”.Como as atividades jurídica, jornalista ou religiosa, por exemplo, não abrangem um gênero em particular, dizemos, sob o ponto de vista dos domínios, discurso jurídico, discurso jornalístico, discurso religioso etc.

A propósito das noções acima, Marcuschi lembra que não podemos confundir texto e discurso. Para ele, “texto é uma entidade concreta realizada materialmente e corporificada em algum gênero textual. Discurso é aquilo que um texto produz ao se manifestar em alguma instância discursiva. Assim, o discurso se realiza nos textos. Em outros termos, os textos realizam discursos em situações institucionais, históricas, sociais e ideológicas.”

Para Marcuschi, o importante é perceber que os gêneros são entidades comunicativas, “são formas verbais de ação social relativamente estáveis realizadas em textos situados em comunidades de práticas sociais e em domínios discursivos específicos.”

Sobre os tipos de textos, Marcuschi diz que “um elemento central na organização de textos narrativos é a seqüência temporal. Já no caso de textos descritivos predominam as seqüências de localização.O textos expositivos apresentam o predomínio de seqüências analíticas ou então explicitamente explicativas. Os textos argumentativos se dão pelo predomínio de seqüências contrastivas explícitas. Por fim, os textos injuntivos apresentam o predomínio de seqüências imperativas.”

Bakhtin (1997), diz que “os gêneros textuais não se caracterizam como formas estruturais estáticas e definidas de uma vez por todas”. E, a respeito da tradição ocidental de que gênero sempre esteve ligado aos gêneros literários, Swales (1990:33) diz que “hoje, gênero é facilmente usado para referir uma categoria distintiva de discurso de qualquer tipo, falado ou escrito, com ou sem aspirações literárias”.


Através de exemplos, Marcuschi mostra que, no caso da uma carta pessoal, que é um gênero textual com vários tipos textuais, “um gênero pode não ter uma determinada propriedade e ainda continuar sendo aquele gênero”. No segundo exemplo, o de uma publicidade em forma de poema, “o que conta é que divulgue os produtos e estimule a compra por parte dos clientes ou usuários daquele produto.” Já no caso de um artigo de opinião, um gênero, em formato de poema, configura-se uma estrutura de natureza altamente híbrida, ainda com o aspecto intertextual, uma vez que o autor faz alusão ao poema e ao autor do mesmo, o que caracteriza, segundo Úrsula Fix (1997:97), “a expressão intertextualidade inter-gêneros para designar o aspecto da hibridização ou mescla de gêneros em que um gênero assume a função de outro”.


Com relação ao ensino, Marcuschi diz que um maior conhecimento do funcionamento dos gêneros textuais é importante tendo em vista que “todos os textos se manifestam sempre num ou noutro gênero textual”. Nesse sentido, o texto em questão traz informações preciosas tanto para quem tem a função de ensinar como para quem tem a intenção de aprender.

Reside nesse conhecimento, também, a importância da abordagem que o autor faz a respeito da perspectiva teórica dos gêneros, especialmente quando diz que “seria bom ter em mente a questão da relação oralidade e escrita no contexto dos gêneros textuais, pois, como sabemos, os gêneros distribuem-se pelas duas modalidades num contínuo, desde os mais informais aos mais formais e em todos os contextos e situações da vida cotidiana”. Dessa forma, o professor estaria promovendo um excelente exercício de produção textual, propiciando aos alunos o conhecimento, a prática e a análise dos mais diversos eventos lingüísticos, tanto orais como escritos.

Rita Moraes

Mensagens : 3
Data de inscrição : 08/06/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Comentário sobre o texto de Marcuschi

Mensagem  Grasi em Dom Jun 15, 2008 3:25 pm

Durante a leitura do texto de Marcuschi podemos observar a importância dos gêneros textuais em sala de aula, estimulando não somente o uso da Linguagem nas mais diversas situações, como também as relações sócio-comunicativas, uma aula interativa, como sugerem os Pcn's. Bronckart define os gêneros textuais como elementos primordiais de interação social que contextualizam mecanismo fundamental de socialização e de inserção prática nas atividades comunicativas humanas, através do trabalho com gêneros textuais em sala de aula possuimos a oportunidade de sair da teoria e partirmos para a prática do cotidiano ( formular uma ata de reunião, uma bula de remédio e etc..), Bronckart e Bakhtin explicam que os gêneros textuais não se caracterizam somente pela forma, estrutura ou parâmetros lingüísticos: são maleáveis em estilos e funções que remetem um sentido de acordo com o contexto histórico que cada um for utilizado, vão se modernizando com o tempo (da carta para o e-mail, por exemplo) e daqui a alguns anos quem sabe o e-mail já vai ser um gênero textual ultrapassado? A única certeza que temos é a da mudança. Very Happy

Grasi

Mensagens : 5
Data de inscrição : 14/06/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Fórum 1 _ Texto Marcuschi

Mensagem  Simone Lourenco em Dom Jun 15, 2008 5:38 pm

O texto de Marcuschi me ajudou muito a entender os diferentes tipos de gêneros textuais e reavaliar se o método que estava adotando em sala de aula era apenas só interpretar e responder. Percebi que estava adotando uma didática de ensino errada, que pelas idéias de Marcuschi, um texto pode ir além de perguntas e respostas, ou uma simples interpretação.

Enfim, o texto de Marcuschi contribuiu muito para melhorar o meu desenvolvimento como educadora, tanto em sala de aula e fora dela. Ao tomar conhecimento das propostas desenvolvidas pelo estudioso, procurei entender os conceitos adotados por ele e, analisar os textos com mais estratégias. Isso me fez entender, aprender e organizar melhor as idéias sobre variedades de gêneros textuais, por isso, uso como didática em minhas metodologias de ensino-aprendizagem as idéias de Marcuschi e graças a esse conhecimento prévio que obtive estou mais segura do meu trabalho desenvolvido em sala de aula.
Very Happy

Simone Lourenco

Mensagens : 3
Data de inscrição : 14/06/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Contribuição de Marcuschi

Mensagem  Eliane Zorzal em Dom Jun 15, 2008 6:21 pm

Marcuschi traz em seu texto a caracterização de gêneros textuais como fenômenos históricos, ligados à vida social e cultural. A explosão de novos gêneros e novas formas de comunicação também são traços levantados pelo autor, que liga esse fenômeno à chamada cultura eletrônica.
A partir daí, Marcuschi faz uma diferenciação bastante clara entre tipos e gêneros textuais.
È a partir das considerações do autor sobre gêneros textuais que trago as contribuições do texto para minha prática docente. Realizo meu trabalho em uma classe de alfabetização (alunos de seis anos) e, é preciso criar junto às crianças um “ambiente alfabetizador” _ um ambiente que proporcione à criança o contato visual com diversas formas escritas. Para isso, a utilização de diferentes gêneros textuais em exposição na sala de aula de alfabetização, possibilita ao alfabetizando o contato com diferentes formas de escrita. Além disso, a sistematização da alfabetização a partir da escrita/utilização de gêneros textuais (bilhetes, receitas, cartas...) facilita a compreensão da criança sobre a função social da escrita.

Eliane Zorzal

Mensagens : 3
Data de inscrição : 14/06/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Comentário sobre o texto de Marcuschi

Mensagem  Fernanda Barbosa em Dom Jun 15, 2008 8:32 pm

Principais pontos a serem destacados no texto de Marcuschi:
- Diferença entre tipos textuais e gêneros textuais. Aqueles entendidos como constructos teóricos definidos pela natureza lingüística de sua composição e abrangendo cerca de meia dúzia de categorias como: narração, argumentação, exposição, descrição e injunção. Estes, como realizações lingüísticas concretas, que apresentam características sócio-comunicativas definidas por conteúdos, propriedades funcionais, estilo e composição.
- Os gêneros são eventos textuais de natureza plástica, histórica e cultural; a maioria é apreendida no dia-a-dia nas atividades sociais e culturais e há uma quantidade enorme deles, o que torna quase impossível identificá-los todos.
- Os gêneros não são entidades formais, mas sim entidades comunicativas em que predominam os aspectos relativos a funções, propósitos, ações e conteúdos.

É importante conhecermos como a comunicação verbal se articula com o mundo por meio dos gêneros textuais. Isso porque a formação de um leitor crítico envolve o conhecimento das relações sociais, dos diferentes tipos de textos em diferentes situações de interação, a relação entre escritor-texto-leitor e a pluralidade de discursos existente na sociedade.

Fernanda Barbosa

Mensagens : 2
Data de inscrição : 08/06/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

[b]Gêneros Textuais - Marcuschi[/b]

Mensagem  Dani em Seg Jun 16, 2008 4:11 pm

[font=Arial]O texto de Marcuschi contribui muito para adquirirmos conhecimento da diferença entre tipos textuais e gêneros textuais. Percebemos que há professores que transmitem, inadequadamente, informações sobre esse assunto, por ignorarem conceitos vistos neste texto.
Marcuschi considera de extrema importância a distinção entre tipo textual e gênero textual, segundo ele, “usamos a expressão tipo textual para designar uma espécie de construção teórica definida pela natureza lingüística de sua composição (aspectos lexicais, sintáticos, tempos verbais, relações lógicas)”. Em suma, os tipos textuais abrangem categorias conhecidas como: narração, argumentação, exposição, descrição, injunção, sendo esses definidos “por seus traços lingüísticos predominantes”. No caso de gênero textual usa-se “como uma noção propositalmente vaga para referir os textos materializados que encontramos em nossa vida diária e que apresentam características sócio-comunicativas definidas por conteúdos propriedades funcionais, estilo e composição característica”.
Para o autor, o importante é perceber que os gêneros são entidades comunicativas, “são formas verbais de ação social relativamente estáveis realizadas em textos situados em comunidades de práticas sociais e em domínios discursivos específicos.”
Ele ressalta, ainda, que os gêneros textuais estão ligados à tecnologia, prova disso são as variedades de gêneros existentes nesta sociedade em relação a sociedades anteriores à comunicação escrita.
Os gêneros adequam-se as necessidades sociais e podem passar por processo de “modificação”, ou seja, um gênero existente, por exemplo, o email, pode ser considerado um “derivado” da carta que foi modificado e adequado a uma determinada tecnologia. afro

Dani

Mensagens : 4
Data de inscrição : 11/06/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gêneros textuais: definição e funcionalidade

Mensagem  walkyria em Seg Jun 16, 2008 4:15 pm

Da teoria à prática

O texto de Luiz Antônio Marcuschi, Gêneros textuais: definição e funcionalidade, oferece abordagens teóricas que esclarecem conceitos e apontam a diversidade de possibilidades de observação sobre os gêneros. Ao considerar os gêneros textuais fenômenos históricos vinculados à vida social e cultural, o autor mostra como nos dois últimos séculos surgiram novos gêneros, ou melhor, gêneros que instauraram uma nova relação com usos da linguagem. Ainda nesse enfoque, ele traz uma distinção entre os tipos textuais e os gêneros textuais, destacando a plasticidade e a dinamicidade dos gêneros.
Essas reflexões trazem grande contribuição para a prática docente, mais especificamente no ensino da lìngua a partir do trabalho com textos, pois os textos se manifestam em gêneros, sejam orais ou escritos. Assim, o trabalho docente com gêneros textuais é uma oportunidade de lidar com a língua em seus diversos usos autênticos do dia-a-dia e ainda, de forma agradável.
Percebe-se que a idéia apresentada pelo autor, como ele mesmo registrou "em certo sentido", também é a idéia centrada nos PCNs. Sendo então de grande relevância que o professor conheça o funcionamento dos gêneros textuais visando tanto a produção quanto sua compreensão.
O trabalho com gêneros textuais em sala de aula baseado nas contribuições apresentadas por Marcuschi, deverá alterar uma prática tradicional desgastada e desvinculada da realidade dos estudantes para uma nova prática que ampliará as oportunidades de leitura de gêneros presentes na vida social - compreendendo sua função e seu alcanse - assim como a escrita de textos em gêneros diversos, adequados à situação social, à ação de linguagem e à produção pertinente ao gênero.
Vale ressaltar que muitos gêneros são do cotidiano e estão vinculados às comunidades sociais, permitindo aos estudantes uma intuição textual sem a mediação da escola, no entanto, outros deverão ser objeto de ensino sistematizado pelo professor. Torna-se muito importante nesse processo a adoção de critérios de produção que poderão orientar o trabalho docente, partindo de um nível menos formal para um mais formal, do privado ao mais público por exemplo, também é importante considerar o contínuo oral e escrito e sobretudo, observar na oralidade e na escrita os usos culturais e não apenas no universo escolar. study

walkyria

Mensagens : 3
Data de inscrição : 14/06/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Fórum 1 _ Texto Marcuschi

Mensagem  Patricia em Seg Jun 16, 2008 6:43 pm

Com base no texto de Marcuschi pude observar a grande importância dos gêneros textuais para serem trabalhados em sala de aula não apenas em contexto de conhecimento sobre o assunto e para aprimoramento da escrita, mas também para serem empregados na oralidade em forma de pluralizar o próprio aluno para as diversas modalidades de discursos existentes na sociedade.O texto me possibilitou um melhor aperfeiçoamento das minhas aulas facilitando a minha prática docente que é fundamental para a concretizar a compreensão dos alunos,seja na prática seja na análise dos diversos gêneros textuais, pois segundo Marcuschi "os gêneros não são entidades formais, mas sim entidades comunicativas em que predominam os aspectos relativos a funções, propósitos, ações e conteúdos ."

Patricia

Mensagens : 1
Data de inscrição : 11/06/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gêneros textuais: definição e funcionalidade

Mensagem  Gelsinha Gomes em Seg Jun 16, 2008 7:38 pm

O texto em questão vem ao encontro da necessidade de se desmistificar a concepção que se tem de gênero textual, especialmente, no contexto escolar, porque trás definições bem claras que propiciam ao professor ampliar seu conhecimento e assim poder desenvolver o seu trabalho de maneira mais proveitosa.

Além de o texto ter uma linguagem de fácil assimilação, Marcuschi aponta vários conceitos, características e funções dos gêneros textuais que facilitam a identificação dos mesmos. Além disso, ele trás exemplos bem claros em cada tópico que corroboram para a compreensão do todo, e apresenta sugestões que podem contribuir sobremaneira para o trabalho com gêneros textuais em sala de aula.

Marcuschi observa que o trabalho com gêneros textuais deve ser feito levando em conta o contexto dos alunos. Neste ponto, faço uma ressalva, visto que, se devemos oferecer para os alunos “mais” do que eles são capazes de assimilar, então acredito que o professor deve trabalhar também com outros tipos de gêneros que não fazem parte do cotidiano deles. Basta que, para isso, o professor apresente a nova proposta de maneira criativa.

Pode-se conceber este texto como uma proposta de auto-avaliação do trabalho com gêneros textuais no contexto escolar.
affraid

Gelsinha Gomes

Mensagens : 3
Data de inscrição : 08/06/2008
Idade : 61

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

GÊNEROS TEXTUAIS-PRÁTICAS DOCENTES-CONTRIBUIÇÃO DE MARCUSCHI

Mensagem  silvana tavares bassul em Ter Jun 17, 2008 6:36 pm

I love you I love you I love you I love you

Após a invenção da escrita alfabética (séc.VII a.c), multiplicam-se os gêneros, surgindo os típicos da escrita. A partir do séc.XV, com a terceira fase, os gêneros expandem-se e no séc.XVIII há uma grande industrialização dando início a uma ampliação ainda maior nos gêneros. Hoje, com a cultura eletrônica, presenciamos uma explosão de novos gêneros e novas formas de comunicação, tanto na oralidade, tanto na escrita que vem contribuir na prática docente dos educadores que buscam inovar e qualificar suas aulas seja em qual disciplina for. Esses novos gêneros (emergentes) possibilitam a redefinição de alguns aspectos centrais na observação da linguagem em uso,desfazendo ainda mais as fronteiras existentes entre a relação oralidade e escrita.
flower Os grandes suportes tecnológicos da comunicação tais como o rádio, a televisão, o jornal, a revista, a internet, vão proporcionando e abrigando gêneros novos bastante característicos que podem contribuir muito em sala de aula, surgindo daí novas formas discursivas, tais como editoriais, artigos de fundo, notícias, telefonemas, videoconferências, reportagens ao vivo, cartas eletrônicas(e-mails), bate-papos virtuais e assim por diante. Sleep [/justify]

silvana tavares bassul

Mensagens : 4
Data de inscrição : 14/06/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gêneros textuais: conceitos e aplicações

Mensagem  Olivaldo em Qua Jun 18, 2008 12:24 pm

Texto base: Gêneros Textuais: definições e funcionalidade. Autor: Luiz Antônio Marcuschi. In: Gêneros Textuais e Ensino.

Em seu texto Gêneros textuais: definições e funcionalidades, Luiz Antônio Marcuschi nos apresenta alguns conceitos básicos e introdutórios para o estudo e o ensino envolvendo os gêneros textuais (doravante GT).

O primeiro deles, e um dos mais importantes para o estudo, é o de gêneros que, para o autor são fenômenos históricos, profundamente vinculados à vida cultural e social. Os GT são considerados frutos de trabalho coletivo e que são responsáveis pela estabilização e ordenação das atividades comunicativas do dia-a-dia. São atividades sócio-discursivas e formas de ação social incontornáveis em qualquer situação comunicativa. Dessa maneira, o seu surgimento está sempre emparelhado às necessidades e às atividades sociais, bem como na relação com as inovações tecnológicas.

Por se tratar de uma nova nomenclatura, Marcuschi procura ressaltar as diferenças entre ‘tipos’ e ‘gêneros’ do texto. Enquanto tipo textual é usado para designar uma espécie de construção teórica definida pela natureza lingüística de sua composição (aspectos lexicais, sintáticos, tempos verbais, relações lógicas), quando falamos gênero textual, estamos nos referindo aos textos materializados que encontramos em nossa vida diária e que apresentam características sócio-comunicativas definidas por conteúdos, propriedades funcionais, estilo e composição próprias.

Interessante perceber que mesmo a noção de tipo textual parece mais ampla se comparada a de gênero, haja vista que os tipos são construções teóricas e os gêneros, textos empíricos, o que ocorre, realmente, é que um mesmo gênero, normalmente, se manifesta em dois ou mais tipos.

Como os gêneros são definidos muito mais por sua função comunicativa do que por suas peculiaridades lingüísticas, o número de gêneros textuais em uma sociedade como a atual torna-se ilimitado. Marcuschi aponta também que muitos dos gêneros característicos da atualidade não são inovações absolutas, mas sim transmutações e/ou assimilações de um gênero por outro, originando novos.

Tradicionalmente, a noção de gênero está bem mais ligada à literatura (gêneros narrativo, descritivo e argumentativo) do que propriamente ao ensino de língua. Sendo assim, a noção de GT amplia nossas possibilidades enquanto docentes porque segue a noção de língua como atividade social, histórica, cognitiva. Privilegia a natureza funcional e interativa e não o aspecto formal e estrutural da língua. Afirma o caráter de indeterminação e ao mesmo tempo de atividade constitutiva da língua, o que equivale dizer que a língua não é vista como espelho da realidade, nem como instrumento de representação dos fatos. Mas sim como uma forma de ação social e histórica que, ao dizer, também constitui a realidade.

Ensinando a partir da perspectiva dos GT contribuímos para o processo de socialização e inserção prática dos nossos alunos nas atividades comunicativas humanas, porque quando dominamos um GT, não dominamos uma forma lingüística e sim uma forma de realizar lingüisticamente objetivos específicos em situações sociais particulares.


Por: Olivaldo da Silva Marques Ferreira geek <<< idêntico!

Olivaldo

Mensagens : 6
Data de inscrição : 11/06/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

A contribuição de Marcuschi

Mensagem  Simone Valéria em Qua Jun 18, 2008 1:18 pm

O texto de Marcuschi traz caracteristicas que são abordadas na vida social e cultural. Abordando diferentes tipos de gêneros textuais. E apartir desta abordagem que vem a contribuição para minha prática docente. Trabalho com alunos do fundamental II e com Eja e faço da utilização de textos variados o que facilita a compreensão dos alunos e o conhecimento com diferentes formas de escrita.

Simone Valéria

Mensagens : 4
Data de inscrição : 18/06/2008
Idade : 40
Localização : Serra/ES

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Fórum -1 Texto Marcuschi

Mensagem  Mauricéia Oliveira em Seg Jun 23, 2008 9:28 pm

Marcuschi não só define gêneros textuais como também orienta quanto à aplicabilidade.
O que se torna muito importante no auxilio das praticas docentes, porque permite ao professor mais segurança para desenvolver aulas e projetos com embasamento teórico.
Conhecer e reconhecer os gêneros textuais como entidades sócio-discursivas e formas de ação social indispensável em qualquer situação comunicativa, faz com que nos desliguemos dos conceitos limitados ofertados pelos livros didáticos.
O trabalho com os gêneros textuais permite lidar com as diversas modalidades da língua e isso é de suma importância, diante das opções encontradas nos diversos contextos do cotidiano. O que comprova mais uma vez a noção de língua como atividade social interativa.

Mauricéia Oliveira

Mensagens : 2
Data de inscrição : 09/06/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

GÊNEROS TEXTUAIS X LIVRO DIDÁTICO

Mensagem  Regina Cerri em Sex Jun 27, 2008 8:21 pm

Não gostaria de levantar aqui uma discussão sobre a validade ou não da adoção de um livro didático a ser usado nas escolas porque é um fato consumado. A realidade é essa.
Aquilo que podemos fazer é tentar aliar os questionamentos de Marcuschi à escolha, ou a nossa opinião que influenciará essa escolha, do livro didático dentro das escolas onde atuamos.
É preciso elucidar os conceitos de gênero e de tipos textuais para, além de orientar nosso fazer didático dentro de sala de aula, com os alunos, abrir o foco de discussão entre nossos colegas dentro das escolas para esse novo modo de encarar os estudos dos gêneros textuais. [justify]

Regina Cerri

Mensagens : 5
Data de inscrição : 15/06/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Fórum 1 _ Texto Marcuschi

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum